quarta-feira, 30 de maio de 2012

5 motivos para fazer sexo pela manhã


Estudo aponta os benefícios da prática nas primeiras horas do dia


5 motivos para fazer sexo pela manhã  Reprodução/Inmagine Royalty Free
Disposição é maior pela manhã

Uma pesquisa feita pela Queen´s University, de Belfast, na Irlanda do Norte, revela que o sexo matinal melhora o funcionamento dos órgãos do corpo e a qualidade de vida. Um dos principais pontos em favor do período matinal é o fato de o corpo estar descansado, livre da adrenalina, hormônio ligado à agitação, liberada após um dia corrido. Para obter os benefícios, a sugestão é adotar a prática 3 vezes na semana.

Os principais benefícios:

1 - Fazer sexo depois de acordar previne doenças cardiovasculares, melhora a circulação sanguínea, reduz a pressão e diminui o risco de infarto;

2 - O sexo matinal gera anticorpos que nos protegem dos ataques de microrganismos causadores de doenças;

3- Cerca de 300 calorias são perdidas durante 1 hora de sexo. Além de ajudar a manter a boa forma, o exercício sexual diminui o risco de diabetes, fortalece os ossos, articulações e músculos e alivia dores crônicas;

4 - O orgasmo aumenta os níveis de estrogênio, hormônio responsável pelo brilho e maciez da pele;

5 - Os homens produzem mais testosterona na prática matinal. Isso ajuda a fortalecer os ossos e prevenir osteoporose.

fonte: diariocatarinense.com


terça-feira, 29 de maio de 2012

Picape exótica é destaque no Salão de NY

Protótipo Counter Balance tem motor embaixo do banco de passageiros. Empresa quer iniciar produção em série do modelo.


Em meio aos carros elétricos e aos protótipos que mostram as novas tendências de design de veículos, o Salão do Automóvel de Nova York tem também as suas esquisitices. Um dos carros mais estranhos que está sendo mostrado no evento é a picape Counter Balance, desenvolvida pela empresa Barkan, especialista em design automotivo.

O veículo foi construído aproveitando o chassi modificado Chevrolet Tahoe e usando um motor Chevy V-8. Sua principal característica é a posição do motor. O designer tirou o motor da parte da frente e colocou embaixo do banco de trás – obrigando os passageiros a viajar em uma posição mais elevada. Abaixo do capô o motorista pode colocar ferramentas e bagagens. O designer reaproveitou o espaço da carroceria e instalou uma cama de dois metros na parte traseira da picape.
A empresa espera em breve poder iniciar a produção da picape.












Tags: picape, exótica, salão ny, carro exótico, carro diferente

http://vejacarros.blogspot.com.br

16 Dicas para as dores nos pés

Quem não teve já dores nos pés? Só nos lembramos verdadeiramente da existência deles, quando nos doem. Infelizmente não podemos trocar por outros, por isso faculto algumas dicas para aliviar e melhorar a saúde dos seus pés.

Dica nº1 – Levantar os pés:

Após um longo dia de trabalho, o melhor que pode fazer pela saúde dos seus pés é descalçar-se. Sentirá um alívio de imediato! De seguida levante os seus pés a mais menos 45 graus e mexa os dedos, para activar a circulação. Faça-o durante 20 minutos.

Dica nº2 – Mergulhe os pés em água:

Coloque os seus pés numa solução de água quente, com duas colheres de sulfato de magnésio. Após isso, passe-os por água fria, seque-os e passe com creme hidratante.

Dica nº3 – Quente e frio:

Junto a duas torneiras de água quente e fria, passe os seus pés primeiro por água quente, depois por água fria, durante um minuto em cada uma das águas. Repita esta acção 3 ou 4 vezes e termine-a com a água fria. Esta alternância de água fria e água quente é muito revigorante. Atenção: não fique sujeito a estas diferenças de temperatura caso sofra de má circulação ou diabetes.

Dica nº4 – Relaxamento com essências:

Num alguidar com água quente, junte seis gotas de óleo de eucalipto e outras seis de óleo de alecrim (podem ser adquiridos numa loja de produtos naturais). Deixe os seus pés repousar nesta mistura durante uns minutos e por fim passe-os por água fria. Passe-os de seguida novamente por água quente e água fria.

Pode ainda experimentar outra solução de água quente juntamente com seis gotas de óleo de zimbro e outras seis de essência de limão, passando-os no final por água fria – água quente e água fria.

Dica nº5 – Chá para os seus pés:

Faça um chá bem forte de hortelã-pimenta ou camomila (duas saquetas de chá por cada chávena de água a ferver). Mergulhe os seus pés neste chá, passando no final por água quente e fria alternadamente.

Dica nº6 – Massagem aos pés:

Uma boa massagem com óleo para bebé proporciona um grande alívio imediato. Massage todo o pé, apertando delicadamente os dedos e fazendo pressão com movimentos em forma de círculo na zona da planta do pé. Pode ainda passar com o polegar, vigorosamente, ao longo da planta do pé.

Massagem aos pés

Dica nº7 – Gelo nos pés:

O gelo é o melhor remédio caseiro para qualquer inflamação ou dor. Enrole um pouco de gelo num pano e esfregue os seus pés e tornozelos durante uns minutos. No final seque bem os pés e passe-os por uma colónia, alcóol ou vinagre, para ficarem frescos e secos.

Dica nº8 – Exercício físico:

- Exercite os seus pés e pernas ao longo do dia, afim de evitar dores e má circulação.
- Espalhe alguns lápis pelo chão e apanhe-os com os dedos dos pés ou
- Coloque alguns feijões secos num chinelo fechado e calce-os, andando um pouco com eles. Isto é uma boa massagem para os pés.

Dica nº9 – Pés dormentes ou tensos:

Se costuma ter os pés dormentes ou tensos, sacuda-os durante um ou dois minutos, um de cada vez e por fim relaxe e faça mover os dedos para cima e para baixo.

Dica nº10 – Muito tempo de pé:

Caso esteja muito tempo em pé, desloque-se sempre que possível, nem que seja só um pouco no mesmo local. Tente mudar de posição e apoiar alternadamente os pés num degrau. Cansará menos os seus pés se estiver sobre uma superfície fofa, como uma carpete ou tapete.

Dica nº11 – Pés rijos:

Em caso dos seus pés ficarem rijos, sente-se e descalce-se, esticando os pés para a frente. Faça movimentos em forma de círculo com os pés, 10 vezes em cada direcção. Estique os dedos para baixo e depois para cima, repetindo outras 10 vezes. Depois pegue nos dedos e desloque-os com suavidade, para a frente e para trás.

Dica nº12 – Outro tipo de massagem para os pés:

Se quiser experimentar outro tipo de massagem para os pés, descalce-se e role os pés sobre uma bola de ténis, por exemplo, ou sobre um rolo da massa, durante um ou dois minutos. Sentirá um grande e rápido alívio.

Dica nº13 – Poupar as solas dos seus pés:

Quanto mais finas forem as solas dos seus sapatos ou ténis, mais sentirá dores ao final do dia. Use, sempre que possível, calçado com solas grossas ou com amortecedores de choque, principalmente se costuma deslocar-se sobre superfícies duras ou irregulares. Se é mulher e quer ter dores nos pés, o ideal é usar saltos altos e solas finas! Em caso de ter que andar mais apresentada, com este tipo de sapatos por exemplo, aproveite as viagens para o trabalho e para casa, usando calçado desportivo nestas viagens.

Dica nº14 – Saltos maiores ou menores:

Quanto maiores forem os saltos dos seus sapatos, mais cansados ficarão os seus pés e pernas. Use um salto o mais baixo possível, afim de evitar esta situação.

Sapato com salto alto

Dica nº15 – Palmilhas:

Se o seu pé se desloca dentro do sapato, quando usa por exemplo, sapatos de salto alto, use uma palmilha que mantenha o seu pé no lugar, afim de evitar dores no arco do pé.

Dica nº16 – Sapatos mais largos:

Se pretende alargar um pouco os seus sapatos, experimente esta dica: Encha uma meia com areia e coloque-a no local onde pretende alargar o seu sapato. Agora embrulhe o sapato numa toalha molhada e deixe secar durante 24 horas. Se necessário, repita esta operação mais uma ou duas vezes.



fonte: http://www.dicascaseiras.com

Tigre branco com sindrome de down


Conservação?

Kenny, um tigre branco com deformidades --- cortesia Big Cat Rescue.

Conservação. É uma palavra que ouvimos e repetir muitas vezes. Onipresente na mídia, que muitas vezes evoca uma sensação de calor, mas como um conceito de conservação é muito mal compreendida. A maioria de nós vê-lo apenas em termos de espécies individuais: se o número de animais de uma determinada espécie é suficientemente grande, especialmente se for uma espécie que acontecer a gostar ou encontrar carismático, "conservação" tem sido alcançado, e podemos verificá-lo fora de nossa lista de coisas a fazer coletivo. Após uma inspeção mais minuciosa, porém, vemos que essa conclusão é fundamentalmente falho e não só não é impedir comprometimento e extinção, mas é muitas vezes deixando um rastro de sofrimento em sua esteira.
O problema básico é que essa visão limitada de conservação deixa de considerar a grande figura, ou seja, o habitat em que as espécies que estão tentando salvar vidas de extinção, dos quais depende para sua sobrevivência, e em que cada animal faz uma contribuição original e significativa. Ele deixa de considerar as inter-relações complexas entre as espécies e sistemas de vida e calmarias nos a acreditar que, enquanto temos animais suficientes que vivem em gaiolas, o que precisamos fazer nada sobre a destruição dos lugares que antes chamavam de lar, nem precisamos considerar como certos animais fazem ou não se encaixam nesses lugares.
Talvez nenhuma outra espécie única incorpora a questão de conservação mais do que o tigre. Elegante e graciosa, poderoso e exótico, o tigre é a própria definição de "carismático fauna mega," ainda que os seus números no selvagem caíram mais de 95 por cento em apenas 100 anos. Nós respondemos intensamente para as ousadas laranja e preto felinos, e às vezes até mais que o tigre branco quase mística. Sua aparência fantasmagórica branco e marcantes olhos azuis são difíceis de ignorar. Porque nós somos fascinados com as coisas que consideramos ser raras como o ouro, nós valorizamos o tigre branco pela sua raridade, e encontrar uma racionalização pronto para perpetuar sua existência, simplesmente envolver uma, talvez agora palavra sem sentido: a conservação. Se laranja e preto tigres estão enfrentando um futuro tão sombrio na natureza, então, podemos concluir, sem dúvida, o raro tigre branco é na maioria dos problemas: ele poderia ser o "garoto propaganda" para os destroços que as atitudes imprudentes de recursos humanos seres deixaram no que costumávamos chamar de lugares selvagens.
Mas se houver algum problema para o qual o tigre branco é uma criança do poster, é nosso entendimento com defeito de conservação. As manchetes são muito familiar: esse jardim zoológico ou que cantor é criação tigres brancos para salvá-los da extinção e restaurá-los aos seus habitats nativos. A mídia eo público adoram essas histórias, mas a natureza emocionante e de curta duração das notícias de hoje desmente a história real que virá à tona para o branco amanhã filhotes de tigre. A verdade é difícil para muitas pessoas a aceitar. Os tigres brancos não são uma espécie e não têm um habitat nativo. Tigres não habitam qualquer parte do globo em que seria vantajoso para sua sobrevivência a ser branco.

Uma questão de Biologia

Kenny, um tigre branco com deformidades --- cortesia Big Cat Rescue.

O que chamamos de "real" tigre branco é na verdade uma anomalia genética, causada por um gene recessivo duplo ocorre muito raramente na natureza, que os especialistas estimam que apenas um em cada 10.000 nascidos tigres em estado selvagem é branco. Esta anomalia, denominada "leucism," evita que o pigmento de coloração da pele e do pêlo e, mais importante, rouba o animal de uma ferramenta principal para a sobrevivência de camuflagem. Sem coloração adequada, a emboscada técnica sobre a qual os tigres dependem para a captura de alimentos está seriamente comprometida. Se alguém tolo o suficiente para tentar liberar um tigre branco em qualquer habitat que os tigres normalmente ocupam, há uma boa chance de que morreria de fome. Dr. Dan Laughlin, um consultor internacional sobre o cuidado de animais de zoologia, declarou-lo bem em "A Fraude Tigre Branco", um artigo escrito para o site do Big Cat Rescue : "quando uma mutação genética recessiva deletério ocorre aleatoriamente que é desvantajoso para a sobrevivência do animal, tais como a cor branca em um ambiente de selva tropical, o animal não sobrevive ao passar essa mutação genética ou característica desfavorável para a sua descendência "(grifo do autor). Em outras palavras, cruel que possa parecer, a natureza não fornece um lugar para o tigre branco.
Se a natureza é projetado para impedir a sobrevivência de mutações genéticas que são um perigo para a sobrevivência de uma espécie inteira, então por que nós vemos os tigres brancos em zoológicos e circos de todo o Estados Unidos? A resposta é simples: eles são produzidos por endogamia. Em um ensaio publicado no site da Save the Tiger Fund , Ron Tilson, diretor de conservação do Zoológico de Minnesota, escreve: "para produzir os tigres brancos ou qualquer outra curiosidade fenotípica, diretores de zoológicos e equipamentos devem continuamente consanguinidade, de pai para filha, a neta, e assim por diante. "De acordo com Laughlin, em adição à linha já famosa e severamente pura de tigres brancos de Bengala, que pode ser rastreada até Mohan, um tigre branco tomado como um filhote fora do selvagem em 1951 e foi criado para trás a sua filha e netas ", uma segunda origem e separada do tigre branco ... ocorreu espontaneamente em dois separados coleções particulares em [Estados Unidos], quando os dois irmãos proprietários puras para as irmãs." Especialistas concordam que a diversidade genética é vital para a saúde dos indivíduos e populações inteiras de espécies. Os felinos mais ameaçadas de extinção, como o Sul da China tigre eo leopardo Amur, são consideradas funcionalmente extinta por alguns especialistas, porque com números tão baixos como 20 ou 30, endogamia é inevitável. No entanto, no caso do tigre branco, a criação de mães para filhos e pais para filhos é comum. E há um preço a ser pago por isso.
Os tigres brancos suportar uma série de problemas de saúde sobre o qual o público é em grande parte inconscientes, incluindo a deficiência do sistema imunitário que causam muitos vivem vidas miseráveis ​​e curto, escoliose da coluna, displasia da anca, distúrbios neurológicos, fenda palatina e salientes, olhos saltados. Muitos são natimortos e muitos mais vir a ser muito deformados para exibir. Entre os que se parecem bastante, de acordo com alguns treinadores tigre, apenas um em cada 30 vai realizar de forma consistente.
Neste ponto, alguém tem que enfrentar a questão raramente questionado pelos repórteres que alegremente recontados o nascimento dos filhotes de tigre branco: e agora? O que acontece aos 29 dos 30 tigres brancos que eram demasiado aborrecido e doente para executar? Sabemos que eles não poderiam ter sido, e nunca será, soltos na natureza. Os sortudos vão encontrar casas permanentes em santuários credenciados, mas a maioria quer ser mortos ou vendidos para zoológicos, circos, viajam e centros de vida selvagem, vivendo em bairros que estão superlotados, sujos, e raramente inspecionados.
Há ainda um outro lado nessa história triste. O que acontece com os filhotes de laranja e preto (de longe a maioria) nascidos de pais que foram emparelhados especificamente para tornar a coloração desejável branco? Seu destino mais provável incluir tornando-se vítimas de caça enlatados , sendo vendido para o comércio de animais de estimação exóticos para viver suas vidas como animais reprodutores, ou ser morto e esquartejado, suas partes enviadas para mercados na Ásia (ver o artigo Advocacia para Animais Lutando por Tigres ). Praticamente nenhum deles vai se juntar aos seus congêneres silvestres para fins de repovoamento severamente seus números cada vez menores. Eles nunca vão ver as terras selvagens do que seus antepassados ​​foram tomadas.


Assumir a responsabilidade

Kenny, um tigre branco com deformidades --- cortesia Big Cat Rescue.

Enquanto isso, saudáveis, tigres selvagens, capazes de exercer as actividades para as quais foram concebidos, os tigres desaparecem em taxas alarmantes. Apenas a 100 anos atrás, havia cerca de 100.000 tigres que vivem em estado selvagem; alguns especialistas estimam que menos de 3.500 indivíduos percorrem as florestas do nosso mundo hoje. Três subespécies de tigres são ido para sempre, e do Sul da China tigre está bem no seu caminho para se juntar às suas fileiras.
Se a criação incessante de tigres brancos não tem nada a ver com conservação, e os animais resultantes são doentes e condenados à vida em uma gaiola, então por que as pessoas continuam a produzi-los? Nós não temos que olhar distante para encontrar a resposta. O comércio de tigres brancos é lucrativo. Filhotes de tigre branco ter buscado tanto quanto $ 60.000 por peça. Segundo Tilson, gico"tigres brancos são uma aberração artificialmente criados e proliferaram por um poucos zoolós, criadores particulares, e pessoas de circo, que fazem isso por razões económicas, em vez de razões de conservação." Milhares de dólares passar pelas mãos daqueles que negociam estes animais como alguns milhares de commodities incontáveis ​​que não fazem nada para parar a caça ilegal de tigres selvagens, não fazem nada para evitar a destruição de habitats de tigres selvagens, e servem apenas para manter criaturas dignas atrás das grades. Nós realmente valorizamos mutações genéticas mais do que o habitat em que os tigres selvagens saudáveis ​​viver e prosperar?
Laughlin acredita que "a deturpação genealógica, inbreeding repetido, exposição e venda ... de tigres brancos ... iniciou a decepção maior conservação do público norte-americano na história." A insídia desse engano é que as histórias animadoras de filhotes individuais nascer de novo e de novo cria a ilusão de que estamos fazendo alguma coisa. Ele cria a ilusão de que os chamados especialistas estão resolvendo os problemas que criamos com a nossa própria complacência.
É hora de enfrentar a questão de frente. Não pode haver conservação de espécies, sem a conservação de habitats, e não pode haver preservação dos habitats sem conservação de ecossistemas inteiros, portanto, somos responsáveis ​​por como nossas ações afetam os ecossistemas, em cada escolha que fazemos. Conservação. Não é sobre o tigre branco. Trata-se de nós.
Será que nossa fascinação com tigres dar-lhes de volta a vida digna, livre que tinham ganho por cada sobrevivente natureza dificuldade atirou para eles antes de virmos ao longo? Ou será que vamos estar convencido de que fizemos o nosso trabalho por ter um número suficiente deles vivendo em gaiolas, realizando truques, e deslumbrando-nos com deformidades genéticas nós nunca sonharíamos de perpetuar em seres humanos? Se escolher a segunda opção, então não é mais uma realidade que devemos estar dispostos a aceitar. Se puxar os animais que nós gostamos de o navio afundando que é o seu habitat destruído, colocá-los em gaiolas, e chamá-lo um dia, todas as espécies que não encontramos carismático vai para baixo com o navio. E com eles ir pistas que podem desvendar os mistérios do mundo natural, juntamente com as respostas às perguntas que talvez não considerem fundamental, porque temos tão completamente removido-nos de que o mundo. Ele levanta uma daquelas perguntas fundamentais: se não podemos deixar que outras criaturas assumem seus próprios papéis no ecossistema mais amplo, como podemos assumir a nossa?



http://advocacy.britannica.com/

Caminhões com pinturas exóticas



O segundo é uma sacola de lona.



O terceiro é a pintura de outro caminhão com a frente para o para brisa traseiro.




O quarto é um aquário com peixes nadando!




O quinto contém engradados de Pepsi e todos empilhados no teto. O fundo parece vazio!!!



O sexto tem pintada uma estante com livros.



O sétimo é um caminhão com aparêcia de fogo!



Melhor trabalho de pintura de ônibus! Nunca se viu uma pintura de cobra tão real... Trabalho muito lindo e criativo.


Gostaram? Então, deixem um comentário.

Artista esculpe rostos humanos em animais empalhados



Kate Clark usa argila para dar faces humanas a animais empalhados
A artista norte-americana Kate Clark cria faces humanas de argila em animais empalhados. A obra, segundo ela, coloca em discussão temas como humanidade, emoção e expressão.

Clark diz que se interessou pelo tema da expressividade humana ainda na universidade, onde começou a desenvolver as esculturas. Usando animais empalhados, ela passou a manipular seus rostos, para que pudessem ter expressões semelhantes às humanas.

"Eu amo animais, então sou sensível ao fato de que uso pele animal", disse ela à BBC Brasil. "Usar o couro do animal e transformá-lo, ao invés de usar elementos artificiais, é o conceito mais importante por trás do trabalho", diz.

Segundo Clark, sua obra fala sobre a necessidade de equilíbrio entre homens e animais ao tentar aproximar as expressões pelas quais se comunicam, e não sobre a supremacia do ser humano na natureza.

"Em nossa cultura atual, nós desprezamos a importância de nossas semelhanças e parentescos dentro do reino animal", afirma a artista norte-americana.
Coiotes recebem expressões humanas. 
Pele, crânio e argila
Clark recebe, de um fornecedor especializado, a pele com cabeça do animal. A pele é separada e preenchida com espuma. Ela limpa o rosto do animal, retirando pele e restos de carne, e o modifica com uma base de argila, até que se pareça com o rosto de uma pessoa.
saiba mais

Mobilização em Berlim contra projeto de empalhar urso Knut
Cavalo empalhado e sela de Roy Rogers são vendidos em leilão

A escultora diz que o vendedor de peles com quem trabalha a procura quando tem animais inusitados que não foram vendidos. Ela diz que jamais solicitou a caça específico de um animal para seu trabalho.

A artista procura aproveitar pálpebras, cílios e outras partes originais das faces dos animais nas faces esculpidas.

Ela diz que prefere utilizar familiares e amigos como modelo para os rostos que esculpe aos invés de "faces idealizadas". Para ela, a escultura final deve contar a história do animal, através de uma expressão facial com a qual os humanos possam se conectar.
Carneiro branco com rosto com olhos azuis. 
"Meu objetivo é que os híbridos sejam honrados, belos e vívidos. Eu evito sorrisos estáticos ou caretas. As esculturas não são feitas para serem sátiras de uma pessoa específica, cuja personalidade é um estereótipo da 'simplicidade' dos animais", diz.

Segundo a norte-americana, as esculturas provocam reações fortes nos espectadores, que muitas vezes não conseguem se aproximar das obras.

"A reação nem sempre é positiva, mas muitas pessoas se interessam pelo trabalho. Já tive pessoas que se relacionaram com ele de várias maneiras, de seus interesses em mitologia a espiritualidade e questões ambientais."
Duas hienas foram modificadas para apresentar dois rostos humanos. 
Fonte: G1

Interessante Entrevista com o líder do PCC, Marcola

Marcola
Leia a interessante entrevista com o líder do PCC, Marcola, ao jornal O Globo.
A entrevista foi extraída do infame blog (A)berração. Segue abaixo a entrevista:
Jornal: O GLOBO
Editoria: Segundo Caderno
Edição: 1, Página: 8

23/05/2006
Estamos todos no inferno. Não há solução, pois não conhecemos nem o problema
O GLOBO: Você é do PCC?
- Mais que isso, eu sou um sinal de novos tempos. Eu era pobre e invisível… vocês nunca me olharam durante décadas… E antigamente era mole resolver o problema da miséria… O diagnóstico era óbvio: migração rural, desnível de renda, poucas favelas, ralas periferias… A solução é que nunca vinha… Que fizeram? Nada. O governo federal alguma vez alocou uma verba para nós? Nós só aparecíamos nos desabamentos no morro ou nas músicas românticas sobre a “beleza dos morros ao amanhecer”, essas coisas… Agora, estamos ricos com a multinacional do pó. E vocês estão morrendo de medo… Nós somos o início tardio de vossa consciência social… Viu? Sou culto… Leio Dante na prisão…
O GLOBO: – Mas… a solução seria…

- Solução? Não há mais solução, cara… A própria idéia de “solução” já é um erro. Já olhou o tamanho das 560 favelas do Rio? Já andou de helicóptero por cima da periferia de São Paulo? Solução como? Só viria com muitos bilhões de dólares gastos organizadamente, com um governante de alto nível, uma imensa vontade política, crescimento econômico, revolução na educação, urbanização geral; e tudo teria de ser sob a batuta quase que de uma “tirania esclarecida”, que pulasse por cima da paralisia burocrática secular, que passasse por cima do Legislativo cúmplice (Ou você acha que os 287 sanguessugas vão agir? Se bobear, vão roubar até o PCC…) e do Judiciário, que impede punições. Teria de haver uma reforma radical do processo penal do país, teria de haver comunicação e inteligência entre polícias municipais, estaduais e federais (nós fazemos até conference calls entre presídios…). E tudo isso custaria bilhões de dólares e implicaria numa mudança psicossocial profunda na estrutura política do país. Ou seja: é impossível. Não há solução.
O GLOBO: – Você não têm medo de morrer?
- Vocês é que têm medo de morrer, eu não. Aliás, aqui na cadeia vocês não podem entrar e me matar… mas eu posso mandar matar vocês lá fora…. Nós somos homens-bomba. Na favela tem cem mil homens-bomba… Estamos no centro do Insolúvel, mesmo… Vocês no bem e eu no mal e, no meio, a fronteira da morte, a única fronteira. Já somos uma outra espécie, já somos outros bichos, diferentes de vocês. A morte para vocês é um drama cristão numa cama, no ataque do coração… A morte para nós é o presunto diário, desovado numa vala… Vocês intelectuais não falavam em luta de classes, em “seja marginal, seja herói”? Pois é: chegamos, somos nós! Ha, ha… Vocês nunca esperavam esses guerreiros do pó, né? Eu sou inteligente. Eu leio, li 3.000 livros e leio Dante… mas meus soldados todos são estranhas anomalias do desenvolvimento torto desse país. Não há mais proletários, ou infelizes ou explorados. Há uma terceira coisa crescendo aí fora, cultivado na lama, se educando no absoluto analfabetismo, se diplomando nas cadeias, como um monstro Alien escondido nas brechas da cidade. Já surgiu uma nova linguagem.Vocês não ouvem as gravações feitas “com autorização da Justiça”? Pois é. É outra língua. Estamos diante de uma espécie de pós-miséria. Isso. A pós-miséria gera uma nova cultura assassina, ajudada pela tecnologia, satélites, celulares, internet, armas modernas. É a merda com chips, com megabytes. Meus comandados são uma mutação da espécie social, são fungos de um grande erro sujo.
O GLOBO: – O que mudou nas periferias?
- Grana. A gente hoje tem. Você acha que quem tem US$40 milhões como o Beira-Mar não manda? Com 40 milhões a prisão é um hotel, um escritório… Qual a polícia que vai queimar essa mina de ouro, tá ligado? Nós somos uma empresa moderna, rica. Se funcionário vacila, é despedido e jogado no “microondas”… ha, ha… Vocês são o Estado quebrado, dominado por incompetentes. Nós temos métodos ágeis de gestão. Vocês são lentos e burocráticos. Nós lutamos em terreno próprio. Vocês, em terra estranha. Nós não tememos a morte. Vocês morrem de medo. Nós somos bem armados. Vocês vão de três-oitão. Nós estamos no ataque. Vocês, na defesa. Vocês têm mania de humanismo. Nós somos cruéis, sem piedade. Vocês nos transformam em superstars do crime. Nós fazemos vocês de palhaços. Nós somos ajudados pela população das favelas, por medo ou por amor. Vocês são odiados. Vocês são regionais, provincianos. Nossas armas e produto vêm de fora, somos globais. Nós não esquecemos de vocês, são nossos fregueses. Vocês nos esquecem assim que passa o surto de violência.
O GLOBO: – Mas o que devemos fazer?
- Vou dar um toque, mesmo contra mim. Peguem os barões do pó! Tem deputado, senador, tem generais, tem até ex-presidentes do Paraguai nas paradas de cocaína e armas. Mas quem vai fazer isso? O Exército? Com que grana? Não tem dinheiro nem para o rancho dos recrutas… O país está quebrado, sustentando um Estado morto a juros de 20% ao ano, e o Lula ainda aumenta os gastos públicos, empregando 40 mil picaretas. O Exército vai lutar contra o PCC e o CV? Estou lendo o Klausewitz, “Sobre a guerra”. Não há perspectiva de êxito… Nós somos formigas devoradoras, escondidas nas brechas… A gente já tem até foguete anti-tanques… Se bobear, vão rolar uns Stingers aí… Pra acabar com a gente, só jogando bomba atômica nas favelas… Aliás, a gente acaba arranjando também “umazinha”, daquelas bombas sujas mesmo. Já pensou? Ipanema radioativa?
O GLOBO: – Mas… não haveria solução?
- Vocês só podem chegar a algum sucesso se desistirem de defender a “normalidade”. Não há mais normalidade alguma. Vocês precisam fazer uma autocrítica da própria incompetência. Mas vou ser franco…na boa… na moral… Estamos todos no centro do Insolúvel. Só que nós vivemos dele e vocês… não têm saída. Só a merda. E nós já trabalhamos dentro dela. Olha aqui, mano, não há solução. Sabem por quê? Porque vocês não entendem nem a extensão do problema. Como escreveu o divino Dante: “Lasciate ogna speranza voi cheentrate!” Percam todas as esperanças. Estamos todos no inferno.


tags: marcola, pcc, polícia, exército, favela, cocaína, armas, presídio, prisão, penitenciária, entrevista, tráfico, globo 

domingo, 27 de maio de 2012

Caminhões do futuro 2













Casa móvel é modelo do futuro

Construída por empresa italiana, a casa do futuro pode ser transportada para qualquer lugar e tem design que lembra nave espacial

 Divulgação
A casa pode ser transportada em caminhões ou helicópteros

Até o começo da década de 90, era comum imaginarmos a realidade dos anos 2000 em forma de roupas prateadas, carros voadores e casas tecnológicas, quase como a dos personagens do desenho Os Jetsons. Agora que estamos em 2010 dá para dizer que, apesar de toda a evolução, as coisas não são bem assim. No entanto, esta casa, desenvolvida pela empresa italiana Architecture and Vision, é algo mais próximo daquela ideia de futuro.

Batizada como
MercuryHouseOne, a residência pode ser transportada por caminhões ou helicópteros e tem um design que remete a naves espaciais. Toda a energia da casa, equipada com os mais modernos aparelhos de som e de iluminação, vem dos painéis solares instalados na superfície.

 Divulgação

http://revistacasaejardim.globo.com

Nova tecnologia de gravação permite obter discos Blu-ray com até 33,4GB de capacidade

Embora tenha se estabelecido como o padrão quando se trata de mídia para a reprodução de vídeos em alta definição, o Blu-ray ainda não conquistou o posto ocupado pelo DVD tanto em número de aparelhos vendidos quanto de vendas de discos.

O principal fator responsável pela situação é o custo dos discos e aparelhos capazes de reproduzir a tecnologia, que ainda se mostram proibitivos para grande parte dos consumidores.
Um dos principais fatores que determinaram a vitória do Blu-ray sobre os competidores, especialmente o HD-DVD, foi a capacidade de armazenamento que os discos azuis possuem: um Blu-ray de camada simples é capaz de comportar até 25GB de conteúdo e atinge 50GB em dupla camada.

Toda essa capacidade de armazenamento significa a possibilidade de gravar vídeos e áudio sem nenhum tipo de compactação, o que garante ao usuário uma experiência confortável e realista na hora de assistir a um filme ou interagir com jogos. Porém, ainda são raros os casos em que a mídia foi utilizada em toda sua capacidade, ainda mais quando a camada dupla é utilizada.

Blu-ray com mais de 30% de espaço extra

Mesmo com toda a capacidade de armazenamento disponível atualmente, os engenheiros da Sony e da Panasonic desenvolveram um método que amplia o espaço disponível para gravação nos discos Blu-ray. A nova tecnologia de gravação permite gravar até 33,4GB em um disco simples, ou 66,8GB em camada dupla, o que representa ganho de espaço de mais de 30%.

Esse ganho em espaço é possível graças à tecnologia Partial Response Maximum Likelihood (Probabilidade Máxima de Resposta Parcial), ou simplesmente PRML. A tecnologia, que é totalmente compatível com os discos e leitores de Blu-ray disponíveis no mercado, não é exatamente uma novidade, mas só agora foi criado um método de avaliação adequado para as mídias que utilizam o PRML como método de gravação.

A maior dificuldade enfrentada pelos engenheiros foi lidar com a taxa de erro que surge durante a leitura e gravação utilizando o PRML. Ao contrário da técnica convencional, que estima a taxa de erro baseada no jitter surgido, o método de alta densidade utilizado faz com que seja impossível obter uma correlação confiável entre esses dois valores, o que torna impossível gravação ou leitura através do método tradicional.


Para entender o que é jitter, é preciso levar em conta que arquivos raramente são enviados de maneira total de um local para outro. Durante a gravação de um Blu-ray, por exemplo, os dados são divididos em uma série de pacotes que possuem informações sobre a ordem correta em que devem ser organizados pelo leitor na hora de reproduzir vídeos.

O jitter acontece quando alguns pacotes de dados são perdidos durante a leitura, o que resulta em problemas como ruídos ou impossibilidade de prosseguir a reprodução da maneira desejada.

Como o valor do jitter não serve como uma base confiável para a correção de erros quando a técnica PRML é utilizada, a Sony e a Panasonic tiveram de desenvolver uma nova técnica para a análise e correção de erros, que foi batizada como Maximum Likehood Sequence Estimations (Índice de Avaliação de Estimava de Sequência de Máxima Probabilidade), ou simplesmente i-MLSE.

O i-MLSE foi desenvolvido com o objetivo de ser uma forma de avaliação de erros mais precisa do que o jitter, e apresenta uma forte correlação com a taxa de erro mesmo durante a leitura ou gravação de discos de 33,4GB utilizando a técnica PRML.

Os engenheiros responsáveis pela nova técnica se certificaram de que os dados apresentados fossem simples o bastante para que pudesse ser compreendida de maneira relativamente fácil, assim como acontece quando o jitter é levado em conta nas técnicas de gravação e leitura tradicionais.

Tecnologia compatível com os aparelhos atuais

O principal problema enfrentado pelo i-MLSE é que os cálculos utilizados para medir a taxa de erro são muito mais complexos se comparados com os utilizados pela técnica tradicional do jitter. Dessa forma, os desenvolvedores ainda têm pela frente o desafio de torná-lo possível de ser processado em tempo real, assim como acontece com a avaliação do jitter. Porém, isso não deve ser nenhum problema quando se leva em conta a evolução constante do hardware dos aparelhos responsáveis pela reprodução de discos em Blu-ray.

Não será preciso trocar o aparelho Blu-ray para utilizar a nova tecnologia

Quem já aderiu à tecnologia dos discos azuis não precisa se preocupar com a possível compra de um novo aparelho de leitura específico para os discos com a tecnologia PRML. Segundo as previsões otimistas apresentadas pela Sony e Panasonic, a grande maioria dos dispositivos disponíveis no mercado é compatível com a tecnologia, e bastariam o download e a instalação de um novo firmware para que a leitura dos discos fosse possível.

Ainda não existe previsão para que os discos compatíveis com a tecnologia sejam lançados, mas a Sony deve propor a adoção do i-MLSE na Blu-ray Disk Association ainda em 2010. Como a companhia é um dos principais fabricantes de Blu-ray do mundo, não será nada surpreendente se o padrão for aceito sem ressalvas.

tecnomundo.com

Só caminhões do futuro





fonte: http://recebiporemail.com.br

Bicicletas do futuro

bubble bike

aerodynamic-bike concept

tron bike

weird-bike-picture

awesome bike-bike

bike tire bike

christian_grajewski_bike


cube bike